Cotidiano

Unioeste lacra a cápsula do tempo

A cápsula do tempo foi construída no espaço onde também está o relógio de sol e que tem objetivo de proporcionar a reflexão sobre a ciência

Cascavel - Objetos que têm um significado especial para todos aqueles que aceitaram o convite da Unioeste (Universidade Estadual do Oeste do Paraná) em contribuir com a cápsula do tempo, serão revelados para as gerações das próximas cinco décadas.

Em sacos plásticos e arquivados com os devidos cuidados para que sejam preservados ao longo dos anos, os materiais foram tampados na caixa de concreto construída no canteiro central da universidade.

Não é por acaso que a cápsula foi lacrada ontem no campus de Cascavel.  A Unioeste completou 44 anos de fundação e o ato também simboliza a história e a evolução da instituição na cidade.

A cápsula do tempo foi construída no espaço onde também está o relógio de sol e que tem objetivo de proporcionar a reflexão sobre a ciência.

“Sempre digo que é importante preservar o passado, construir o presente e planejar o futuro. Assim como o relógio de sol atrai visitantes, acredito que esse novo espaço terá a mesma finalidade e para as futuras gerações será um resgate daquilo que representou a nossa história”, avalia o diretor do campus, Alexandre Webber.

O idealizador do projeto, Vilmar Malacarne, do Grupo de Pesquisa de Formação de Professores de Ciência e Matemática, revela das curiosidades que foram guardadas na cápsula, por servidores, professores e alunos de duas escolas municipais de Cascavel. “Brinquedos, fotos, equipamentos tecnológicos, materiais institucionais e até mesmo sementes que podem germinar estão lacradas”, cita. A caixa permanecerá lacrada por 56 anos e só deve ser aberta no dia em que campus completar 100 anos.