Policial

Três: Homicídios triplicam em julho

Corpo de um homem foi desovado em uma estrada rural, próxima ao bairro Cascavel Velho
Manoel Rodrigues de Souza Neto possuía várias passagens pelo setor policial (Foto: Ailton Santos)

O mês de julho mal começou e já apresenta números nada positivos no setor de segurança pública. Até ontem, três pessoas foram assassinadas em Cascavel. Os números são contabilizados diariamente pela reportagem de O Paraná e apontam que, no comparativo com o mesmo período do ano passado, os homicídios cresceram três vezes ante 2016, quando somente uma pessoa morreu.

O último assassinato deste ano aconteceu na noite de sexta-feira e vitimou Manoel Rodrigues de Souza Neto, de 37 anos. O corpo do homem foi encontrado por populares na Estrada de Alto Salvador, próximo ao bairro Cascavel Velho.

De acordo com a Delegacia de Homicídios, que faz diligências para localizar e prender o autor ou autores do crime, Manoel foi morto em outro lugar e levado até a estrada rural. Conforme arquivos de O Paraná, Manoel possuía passagens por roubo, estelionato, injúria, furto, dentre outros crimes.

Os outros homicídios deste mês foram de Pablo Henrique da Silva, de 20 anos, no bairro Pacaembu e Jonatan Rodrigo Ribeiro, de 22 anos, no Cascavel Velho. Ainda este mês, um criminosos foi vítima de confronto com a Polícia Civil de Toledo, em uma propriedade rural de Sede Alvorada. O homem, Rafael Luiz Cabral, era acusado de participar de uma tentativa de homicídio contra um agente penitenciário da PEC (Penitenciária Estadual de Cascavel). A vítima, Rogério Oscar Werkhauser, de 49 anos, estava em uma casa espírita com a esposa quando foi alvejado por quatro tiros.

Segundo dados de O Paraná, nos oito primeiros dias de julho de 2016 somente uma pessoa foi assassinada. A vítima foi Grinaura Alves Vasconcelos, de 58 anos. O corpo da mulher foi encontrado em casa, na rua Rio Pajeu, no bairro Brazmadeira. A Delegacia de Homicídios ainda investiga o crime.

Além do assassinato de Grinaura, o mês de julho do ano passado registrou ainda mais três mortes violentas: um latrocínio e dois confrontos policiais. A vítima de latrocínio foi Fábio Galina, de 35 anos. Ele estava em sua empresa, na Rua Manaus, no bairro Cancelli, quando um rapaz chegou, anunciou o assalto, e acabou baleando Fábio. O comparsa do jovem aguardava ele alguns metros depois, em uma motocicleta. Os dois foram presos pela polícia. Fábio foi socorrido, mas morreu no hospital.

Já as duas mortes em confronto foram de Jhones de Paula, de 23 anos, e Diogo Schmidt, de 28 anos, na marginal da BR-467, no bairro São Cristóvão. Este ano, até ontem, Cascavel registrava 48 mortes violentas: sete confrontos, três latrocínios e 38 homicídios. Tissiane Merlak

Preso

Policiais da Delegacia de Homicídios cumpriram ontem, um mandado de prisão contra Antônio Carlos Gomes. Ele é acusado de envolvimento no duplo homicídio de Mayke Rodrigues Valença e Luana Ferreira Magalhães, ocorrido no dia 5 de janeiro deste ano.

Antônio foi encontrado pelas equipes no bairro Interlagos e encaminhado à 15ª SDP (Subdivisão Policial). Outros envolvidos nos dois primeiros homicídios do ano já foram presos pela polícia durante a Operação Regressus, deflagrada em junho.

Segundo investigações das equipes, Mayke e Luana tinham envolvimento com o tráfico de drogas, fato que teria motivado o crime. O assassinato do casal foi decidido pelos integrantes de uma quadrilha de tráfico de drogas, desmantelada na Operação, em uma espécie de assembleia. A quadrilha, conforme a Polícia Civil, comandaria o tráfico de entorpecentes em toda região norte da cidade. Três pessoas, identificadas como Karina Aparecida dos Santos Ribeiro, Cleiton Luiz Lenz e João Santos da Silva, velho conhecido da polícia pela alcunha de João da Marajó estão foragidas.