Esporte

Servidores ameaçam greve por impasse em negociação salarial

Reajuste de 2% foi rejeitado por servidores do Consamu (Foto: Aílton Santos )

Cascavel - A proposta de 2% de reajuste salarial oferecida pelo Consamu (Consórcio Intermunicipal Samu Oeste) não agradou os servidores e a possibilidade de deflagrar uma greve não está descartada.

Assembleia foi realizada na manhã de ontem, mas, apesar de o índice ter sido garantido aos trabalhadores desde a data-base, em 1º de maio, o impasse por conta da negociação continua.

O diretor-geral do Consamu, José Peixoto, afirma que o Consórcio concedeu mais do que o previsto pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). “Consideramos 1,69% do INPC somado ao percentual de 0,31% de ganho real”, justifica.

Ele acrescenta que durante a assembleia houve exigências de cláusulas no acordo coletivo, no entanto, negadas pelo Consamu. “Isso inclui obrigatoriedade de taxa negocial, imposto sindical e contribuição federativa e não concordamos”, ressalta Peixoto.

Os servidores querem 7% de reajuste salarial.

Apesar da ameaça da greve, o diretor-geral esclarece que não há motivos para que isso ocorra: “Dessa forma, judicialmente a paralisação seria impedida e eles teriam de voltar ao trabalho”, afirma Peixoto.