Política

Prefeitos lançam Cida ao Governo do Estado

Prefeitos recepcionam líderes estaduais e nacionais, dentre eles a vice-governadora e o ministro Ricardo Barros (Foto: Divulgação )

Cascavel - Ela foi recebida como a governadora do Estado do Paraná. Em clima otimismo, Cida Borghetti (PP) acompanhou a agenda do marido e ministro da Saúde, Ricardo Barros, na região. O casal participou de uma reunião da Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná) durante toda a manhã de ontem e não escondeu a satisfação com a acolhida.

Oficialmente, nenhum dos dois confirmou, mas o discurso sincronizado e mais tranquilo da reunião de ontem sinaliza que a pré-candidata e vice-governadora assume o Executivo estadual em abril e consolida sua briga nas urnas em outubro.

Mesmo ainda sem oficializar sua decisão, pelo que tudo indica o governador Beto Richa se desincompatibiliza do cargo em abril para concorrer ao Senado.

A ascensão de Cida Borghetti ao governo foi dada como certa no discurso do marido, Ricardo Barros, que, em seu pronunciamento, afirmou que a progressista tem muito a contribuir com o desenvolvimento do Estado: “A candidatura da Cida é certa e nenhum cenário vai mudar isso, mas é claro que existe uma grande vontade que ela assuma essa responsabilidade de contribuição com o Estado que sempre defendeu com tanto empenho e isso deve acontecer nos próximos dias”, disse.

Acolhida

“Temos a honra de ter em nossa mesa futura governadora do Estado do Paraná”, anunciou o presidente da Amop, Rineu Menoncin (PP), assim que Cida Borghetti chegou ao encontro e foi convidada à mesa de honra. Pelo menos no encontro de ontem, a Amop deixou as portas abertas para a candidatura da vice-governadora, que pode vir a ser a primeira mulher a comandar o Estado do Paraná.

Cida Boghetti respondeu com confiança. Depois de lembrar que a decisão de deixar ou não o governo é de Beto Richa (PSDB), a vice-governadora relatou sua trajetória política e pediu abertamente apoio de todos os prefeitos e líderes da região oeste para sua caminhada eleitoral. “Se assumir o governo pelos nove meses que restam, será uma gestão de bons projetos e grandes resultados. A segunda e não menos importante missão será disputar de forma democrática a oportunidade de seguir contribuindo com cada um dos paranaenses através da prática de políticas com eficiência e humanidade”, argumentou.

Barros aposta na informatização contra prejuízos na saúde

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, desembarcou em Cascavel na manhã de ontem para trazer R$ 2 milhões para o Hospital do Câncer (Uopeccan) e R$ 1,296 milhão ao Cisop (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste do Paraná). Recursos disponibilizados para atendimentos gerais. A habilitação da UPA Veneza, de Cascavel, foi publicada ontem no Diário oficial da União e lembrada por Ricardo Barros.

Embora tenha confirmado sua saída do ministério para disputar a reeleição na Câmara Federal, Barros disse que seu esforço, agora, é para que não haja retrocesso nas suas iniciativas enquanto ministro.

Elogiado pelas suas ações no ministério, Ricardo Barros ouviu todos os líderes presentes e aproveitou para despachar algumas situações emperradas durante a reunião. “Nesse pouco tempo que me resta no ministério seguirei com todo empenho e vontade política para que nenhum município deixe de ser atendido em suas particularidades e reivindicações”, declarou.

Barros prestou contas do seu trabalho e falou com energia sobre algumas das diretrizes que adotou e sobre as mudanças que exigiu na pasta: “Não podemos mais jogar dinheiro do contribuinte pelo ralo. A minha busca maior é para que os recursos sejam utilizados da forma mais justa possível. Quando pagamos mais, até duas vezes, pelo mesmo serviço sem conferir a qualidade e a eficiência de um tratamento, por exemplo, deixamos de levar esse mesmo recurso aos que realmente necessitam”, afirmou, apontando a informatização como um instrumento de controle legal, eficaz e coerente.

O ministro sinalizou que a repactuação tão esperada pelos prefeitos não é algo tão fácil de acontecer, mas que mesmo assim as iniciativas e as ações devem compartilhar mais e cobrar menos dos municípios. “Temos que pensar de forma integral e sistemática. Não faltou vontade, mas o cenário em que o presidente [Michel Temer] assumiu o Brasil não permitiu todos os avanços que esperávamos. O importante é que a economia e a justiça social sejam balizadores de todo o processo de gestão”, afirma Barros.

O encontro foi acompanhado por deputados estaduais e federais. Dentre eles, o deputado federal Alfredo Kaefer (PSL) agradeceu o empenho de Ricardo Barros ao Paraná: “Sabemos que essas conquistas são frutos de um trabalho árduo e feito com a dedicação de quem conhece os problemas e não desiste de encontrar soluções”, agradeceu o parlamentar.

Avanços no Paraná

Durante a gestão Ricardo Barros, o Estado do Paraná recebeu aproximadamente R$ 550 milhões de recursos federais para custear serviços e abertura de leitos em mais de 400 municípios. Apenas em 2016 foram repassados mais de R$ 150 milhões entre habilitações de leitos e outros serviços ambulatoriais e hospitalares. Em 2017, foram repassados cerca de R$ 400 milhões para custear esses serviços.