Cotidiano

Dengue: índices crescem e põem saúde em alerta

(Foto: Secom )

A Secretaria de Saúde de Cascavel percorreu 4.352 imóveis por todo o Município de 7 a 9 de janeiro para realizar o primeiro LIRAa do ano. O resultado foi de 3,9% de infestação pelo mosquito Aedes aegypti. De acordo com as normas técnicas do Ministério da Saúde, esse índice representa risco médio para epidemia de arbovirose (dengue, zika vírus e febre chikungunya).

A maior preocupação está com as localidades que fazem parte do estrato 10, na região sul da cidade, que apresentou índice de 9,3% de infestação. Os estratos 5 e 6, no oeste da cidade, também preocupam, pois a infestação chegou perto de 5%.

Outra preocupação são os criadouros - locais que foram encontradas larvas: resíduos sólidos (lixo) com 38,5% do total e depósitos móveis (bebedouros de animais, vasos de plantas), com 32,5%.

O levantamento

O número de imóveis inspecionados é determinado em função da densidade populacional. Neste ciclo foram inspecionados 4.352 imóveis, divididos em dez estratos, num total de 117 localidades cadastradas no Setor de Controle de Endemias.

Durante o LIRAa (Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti), são coletadas larvas em 100% dos depósitos encontrados em cada domicílio, o que permite, além de quantificar as amostras, identificar o tipo de criadouro, evidenciando a prevalência de criadouros em cada estrato.

Foram coletadas 200 amostras de larvas positivas para Aedes aegypti, das quais 56 no estrato 10. Esse estrato apresentou média de infestação de 9,3%.

Ação educativa

A partir da próxima semana, a Divisão de Vigilância em Saúde Ambiental/Setor de Controle de Endemias realizará ação de conscientização, notificação e eliminação mecânica de focos e criadouros do vetor na região do estrato 10.

“Pedimos a colaboração de todos que auxiliem na divulgação e na orientação dos cuidados para evitarmos uma epidemia de arbovirose", alerta a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Beatriz Tambosi.

Para Ana Paula Barbosa, responsável pelo Setor de Endemias, ressalta “que é necessário que toda a sociedade esteja mobilizada a fim de reduzir essa infestação”.

Confira o índice de infestação por região da cidade: