Política

Coluna Contraponto do dia 20 de julho de 2018

Reale cogitado para a vice de Alvaro

A recusa do senador Alvaro Dias de buscar alianças com partidos e/ou políticos comprometidos, à esquerda, com o lulopetismo, e, à direita fisiológica, com o Governo Temer, cogita montar chapa pura para disputar a presidência da República. Seu candidato a vice sairia das fileiras do próprio Podemos, na figura do jurista Miguel Reale, um dos autores da ação que deu início ao impeachment da ex-presidente Dilma Roussef. Alvaro, no entanto, ainda mantém conversações em busca de uma aliança com o PRB, partido que saiu da disputa presidencial depois da desistência do candidato Flávio Rocha, empresário dono da rede de lojas Riachuelo.

PT decepcionado

Dirigentes do PT foram surpreendidos com a informação de que o ministro Dias Toffoli, que assumirá o comando do STF (Supremo Tribunal Federal) em setembro, já tomou a decisão de não pautar de imediato as ações que questionam a constitucionalidade da prisão depois de condenação em segunda instância, segundo conta a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

Esperança

Apesar dos vários reveses na Justiça, diversos advogados ligados à legenda acreditavam que a questão poderia ser discutida e revista, possibilitando que Lula ganhasse a liberdade. Além de descartar o debate do tema, Toffoli não deve atender a nenhum pedido de liminar que beneficie o petista caso assuma plantão da corte neste mês.

Pereirinha e a ONU

Com clientes políticos de tão variadas ideologias - depois de Lula agora é Beto Richa -, o escritório do advogado Luiz Fernando Pereira está se tornando uma verdadeira ONU. Pereirinha começou a atuar na área política como advogado eleitoral, com o PT, e continua realizando análises sobre a elegibilidade de Lula. Com Beto Richa, no entanto, entram as operações e as denúncias de malfeitos com recursos públicos, temas já tratados por René Ariel Dotti.

“Tudo é público”

Em termos de Paraná, Pereirinha, que é filho do ex-governador Mário Pereira, é o advogado do momento para os políticos. A advocacia para lados opostos - mas em ações não conflitantes - não o incomoda. Pragmático, afirma: “Tudo é público. Sou advogado e não militante partidário. Tenho compromisso profissional com os clientes, a favor de quem atuo com a técnica adequada. Se exigirem teor político, não sou a melhor pessoa”.

Partidos fogem...

O candidato Jair Bolsonaro (RJ) já tem poucas esperanças de conseguir partidos aliados. Em menos de 48 horas, ele ouviu um “não” do PR, comandado pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP), e do nanico PRP - legenda do general da reserva Augusto Heleno Ribeiro, cotado até então para ser o vice na chapa.

...e restam 8 segundos

Caso não consiga romper o isolamento, Bolsonaro vai dispor de apenas 8 segundos em cada bloco no horário gratuito de rádio e TV, a partir de 31 de agosto. Às vésperas de sua convenção partidária, neste domingo (22), ele poderá ser obrigado a formar uma chapa pura, caso opte por dividir palanque com a advogada Janaina Paschoal.

Fernanda Richa perto de deixar o governo

Secretária estadual de Ação Social, a ex-primeira-dama Fernanda Richa deve deixar o Governo Cida Borghetti nos próximos dias. Decidiu que sua presença direta na campanha será mais importante para eleger o filho Marcello Richa deputado estadual. Interlocutores próximos afirmam que seu eventual pedido de exoneração nada tem a ver com suposto estremecimento nas relações políticas entre o grupo de Beto Richa e o marido da governadora Cida Borghetti. Richa estaria cada vez mais irritado com gestos que ele interpreta como de sabotagem à sua campanha para o Senado.