Cotidiano

Aperto e demora

Pacientes aguardaram por horas a chegada de médicos especialistas (Foto: Bethania Davies)

Com quase três horas de atraso, o aposentado João Silvino, de 70 anos, foi atendido por um urologista, ontem, no Cisop (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste do Paraná), em Cascavel. O idoso chegou ao local às 10h e só foi atendido depois das 14h, quando o médico chegou ao local. “É sempre assim. Ou o médico vem atrasado ou demora para começar a atender”, conta.

Silvino não foi o único que precisou de muita paciência. A jovem Hellen Regina aguardava na fila - estabelecida por ordem de chegada - e tentava resistir às dores por conta de um problema renal. “Hoje está difícil. Tenho pedra nos rins e a cada pouco preciso me consultar aqui, mas toda vez que venho a impressão é de que o número de pacientes está cada vez maior”, diz.

A orientação repassada aos pacientes era de que os idosos que utilizavam sonda teriam prioridade no atendimento. Em seguida, as consultas com especialistas seriam disponibilizadas aos pacientes acima de 60 anos que não apresentassem fator agravante. Somente depois disso é que chegaria a vez dos demais.

“Disseram que iriam atender esse pessoal primeiro [idosos com sonda e sem], para daí ver se daria tempo de atender o resto do povo. Meu filho vai consultar e estamos aqui desde às 11h”, disse a dona de casa Carla Viviane Vozz, que esperou em torno de três horas pela assistência médica. “É uma falta de respeito, não estão nem aí”, lamenta.

Debaixo de chuva

O problema de infraestrutura no Cisop se arrasta há anos e é nos pacientes que toda essa precariedade desaba. O que tem agravado ainda mais a situação, principalmente na demora de atendimento médico, foi o atraso na entrega da obra da nova sede do Consórcio, na Avenida Brasil, zona oeste de Cascavel, e que somente agora dá sinais de avanço.

O empreendimento foi abandonado pela antiga empreiteira há três anos, que alegou não ter recursos suficientes para finalizar o projeto. Em junho deste ano foi assinada nova ordem de serviço e há um mês as obras foram retomadas. Na tarde de quarta-feira (8), apesar da chuva, 25 homens trabalhavam no local. Em breve serão iniciadas as fundações e a expectativa é de que a construção seja concluída em um ano.

A obra conta com recursos federal, estadual e dos 25 municípios que fazem parte do Consórcio, totalizando R$ 6,3 milhões.

Com a nova sede será possível realizar 2 mil consultas a mais por mês, além de oferecer 14 especialidades de apoio, como fisioterapia.

Legenda: Ontem, 25 homens trabalhavam na construção da nova sede do Cisop

(9local obra cisop_as)