Cotidiano

45 casos de meningite

(Foto: Ilustração)

Com o diagnóstico de uma professora da Escola Municipal Hercules Bosquirolli com meningite meningocócica (bacteriana) tipo C esta semana, já são 45 os casos da doença registrados em Cascavel neste ano.

Apesar de ser considerável, o número é considerado dentro da normalidade pela 10ª Regional de Saúde. “A meningite é considerada uma doença endêmica, ou seja, casos são esperados ao longo de todo o ano, assim como a ocorrência de surtos. Na Regional, que compreende 25 municípios da região, registramos até agora 63 casos, de vários tipos, mas é um número considerado normal. Em 2017, por exemplo, tivemos na regional 72 casos”, explica o enfermeiro Marcelo Furtado, do setor de epidemiologia da 10ª Regional de Saúde.

A doença causou três mortes, sendo duas em Cascavel e uma em Corbélia. No ano passado, houve quatro óbitos na Regional causados pela meningite.

Vacinação

A única forma de prevenção da doença é a vacinação, que para a maioria dos tipos está disponível de forma gratuita no SUS (Sistema Único de Saúde). “Apenas três tipos de meningite meningocócica não têm vacina na rede pública, que são: tipos B, W e Y. Os outros todos têm a imunização disponível”, explica o enfermeiro Marcelo Furtado.

Na rede particular o valor da vacina para os tipos W e Y custam em média R$ 360 e para o tipo B, cerca de R$ 670.

 

Entre a vida e a morte

A 10ª Regional de Saúde informou que faz o acompanhamento da situação envolvendo a professora da escola municipal de Cascavel, que continuava internada em estado gravíssimo no HU (Hospital Universitário). “Na escola, os cerca de 50 alunos [com 7 e 8 anos de idade] que tiveram contato direto com a professora receberam a medicação chamada de profilaxia, para evitar que, caso a bactéria causadora da doença esteja alojada em alguém, mesmo sem sintoma, seja transmitida. Outros profissionais da escola, assim como do Samu e da unidade de saúde onde ela deu entrada, também já receberam o medicamento”, explica o enfermeiro Marcelo Furtado, da 10ª Regional de Saúde.

A evolução especialmente do tipo meningocócico é muito rápida e pode levar à morte, por isso, ao menor sinal de febre aliada a sonolência e confusão mental é preciso procurar ajuda médica imediatamente, já que nem sempre o mais conhecido sintoma da doença, que é a rigidez na nuca, se apresenta.

De maneira geral, a orientação para evitar contrair qualquer tipo da doença é manter os ambientes bem ventilados, lavar as mãos com frequência e evitar o compartilhamento de objetos pessoais como talher, canudos e copos.

 

Principais sintomas

Febre alta acima de 38ºC

Forte dor de cabeça

Náuseas e vômitos

Rigidez na nuca, com dificuldade para dobrar o pescoço

Sonolência e cansaço excessivo

Dor nas articulações

Intolerância à luz e ruídos

Manchas roxas na pele

 

Já no bebê, a meningite meningocócica pode ainda provocar outros sintomas como moleira tensa, agitação, choro intenso, rigidez do corpo e convulsões.

 

Diagnóstico

Por ser considerada uma situação de emergência, deve-se ir ao pronto-socorro assim que se desconfia de uma possível infecção nas meninges. Nesses casos, o médico pode desconfiar da doença pelos sintomas, mas é necessário fazer uma punção lombar para identificar se existe alguma bactéria na medula espinhal e confirmar o diagnóstico.