Cotidiano

Em novo livro, Judith Butler faz crítica judaica ao sionismo

65018770_Foto da filosofa americana Judith Butler SC.jpgRIO - Mais conhecida no Brasil por seus estudos sobre gênero, Judith Butler reflete sobre sionismo e identidade em seu último livro publicado no Brasil, “Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo”. Na obra, a filósofa pós-estruturalista americana, que causou polêmica ao defender posições pró-Palestina e apoiar uma campanha internacional de boicote cultural, econômico e político a Israel, argumenta que é possível, como ela vem fazendo, criticar as posições do país no conflito Israel-Palestina, e, ao mesmo tempo, reafirmar a sua própria cultura judaica.

Nos princípios éticos judaicos que fizeram a sua formação, escreve ela, tenta encontrar ferramentas para “contestar a subjugação colonial que o sionismo tem exercido sobre o povo palestino”. Para isso, apoia-se em pensadores judeus e elabora as condições para uma convivência possível entre israelenses e palestinos.

Em entrevista ao GLOBO por e-mail, Judith fala sobre os conflitos provocados por suas posições contra as políticas recentes do Estado de Israel, sobre a sobrevivência do multiculturalismo após a eleição de Trump e as obrigações morais da coabitação dos povos.

Por que é importante fazer uma crítica judaica ao Estado de Israel? Que valores judaicos podem ser usados na crítica às políticas israelenses?

É importante entender que há muitas visões de Israel entre os judeus. O povo judeu é internamente complexo. Eles vêm de muitos lugares do mundo e nem sempre se veem representados pelo Estado de Israel. Na verdade, se pensarmos nos valores judeus de justiça, igualdade e hospitalidade, vemos que o Estado de Israel é contra princípios chaves da Ética Judaica.

Embora reafirme sua formação judaica, a senhora também defende a necessidade de ir além do judaísmo. Por quê?

Eu me oponho à ocupação, da mesma forma que muitas pessoas se opõem à ocupação. A maioria das leis internacionais condena a ocupação, então minha oposição não é muito diferente da de um não judeu que se opõe à ocupação como uma violência dos direitos humanos. Mas porque se diz frequentemente que aqueles que se opõem ao Estado de Israel se opõem ao povo judeu, é importante saber que o povo judeu também se opõe ao Estado de Israel em muitos aspectos, clamando por direitos humanos internacionais e direitos democráticos para todas as pessoas, incluindo os palestinos.

Em 2014, sua palestra sobre Kafka no Museu Judaico de Nova York foi cancelada após reclamações sobre seu envolvimento com o movimento BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções contra Israel). Como reagiu à notícia?

Na verdade, eu até tenho tido sorte, já que minhas participações em eventos são raramente canceladas. Mas está havendo, sim, um esforço para criminalizar a posição política do BDS. Boicotes são reconhecidos como instrumentos legais de expressão de pontos de vista políticos, então é uma perspectiva horrível que se diga às pessoas que assumem este ponto de vista de que o ponto de vista delas sequer pode ser ouvido. Sabemos que muitas pessoas tiveram suas participações em eventos canceladas e que há uma ampla campanha para silenciar quem tem opiniões críticas a Israel.

No livro, a senhora diz que é importante pensar em uma solução de Estado único para o conflito Israel-Palestina, mesmo que muitos a considerem impraticável...

Na história do mundo, certamente muitas ideias foram vistas como impraticáveis: a abolição da escravidão, os direitos iguais para mulheres e minorias, o fim da guerra... E, ainda assim, aqueles que continuam a luta por liberdade, igualdade e não violência tiveram que persistir. Se seguíssemos apenas opções práticas, perderíamos nossos princípios e nossa esperança.

A senhora acredita que, se não pensarmos na coabitação, nosso mundo empobrecerá radicalmente. Mas o que significa viver com o outro? Quais são nossas obrigações morais quando coabitamos com aqueles que não escolhemos?

No fim das guerras ou no fim legal do apartheid, sociedades são confrontadas com o difícil problema de viver com aqueles que foram seus inimigos. É uma tarefa difícil viver junto com o ódio duradouro, a raiva, onde não há amor. Mas se todos afirmarem a obrigação de viverem juntos, então eles têm essa obrigação em comum, e essa obrigação passa a representar o presente e o futuro da vida compartilhada.

Como vê o futuro do pluralismo na era Trump?

O movimento emergente de resistência inclui populações multiétnicas e multirraciais que estão se unindo para combater o racismo, a xenofobia e a misoginia. Este movimento de resistência representa o futuro da pluralidade neste momento. Minha crença é que, com o tempo, ele vai ganhar.