Cotidiano

É no verão quando os filhos crescem

Na entrada do outono, a necessária revista do que anda guardado no guarda-roupa deixa claro que as crianças não cresceram só para cima

Vivian Weiand

Houve uma época em que uma vez ao mês a pediatra me informava por onde andava peso e altura dos meus filhos. Já faz algum tempo, eles eram bebês. Os anos passam e as visitas ao médico tornam-se mais espaçadas - graças a Deus! - porque não é mais tão fácil sucumbir a uma gripe ou à dor de garganta

Os anos foram passando e um dia a encontrei na rua. Os meninos, como estão? Crescendo, respondi. A curiosidade era legítima, pois não era mais ela quem me dizia por onde andava a altura dos meus pequenos.  Na entrada do outono, a necessária revista do que anda guardado no guarda-roupa deixa claro que as crianças não cresceram só para cima, mas para os lados também, incontestável certeza de que nossa vida vai passando e que nossos filhos, consequentemente,  vão crescendo. Um terço do que esperava ainda poder usar neste ano, para minha decepção financeira, deverão ser doados.  E este ano um agravante: o colchão mostra-se  outro sinal evidente de que um par de pernas não consegue se esticar com plenitude,  pezinhos que balançam fora dele denunciam a inadiável necessidade de uma cama maior  para o próximo ano. E quem sabe até uma definitiva, uma cama de solteiro mesmo, mesmo levando um tombo ou dois até se habituar. 

A vida à beira mar é outra oportunidade de perceber o quanto os filhos cresceram.  Lembra quando tinha de ficar embaixo de um guarda sol atenta à mamadeira, bicos e fraldas?  Pois é, agora é só dar uma olhadinha - é aquele ali, de camisa vermelha e boné azul - e gritar para ficar na parte rasa do mar.  E você volta a tomar aquilo que até já tinha esquecido o que era: banho de sol.

Na praia, em um tempo distante, os filhos pediam a água que você tirava da baby bag; tempos  depois, a água de coco, o guaraná e não faltam muitos verões para você vê-lo pedir cerveja. Também é no verão que a filha faz uso da maquiagem, da minissaia, preocupante constatação de que sua menininha cresceu a tal ponto que quer pintar uma parte do cabelo de azul. O garoto, por sua vez, luta contra os fiapos de barba, a voz perdeu o timbre e o ombro um tatuagem ganhou.

No final desse verão, de uma boa olhada em seus filhos porque é no verão que vem que vai se da conta do quanto eles cresceram.  É, meu caro, o mundo vai dando voltas e mais voltas e as dúzias de chupetas que até pouco tempo atrás eu tanto excomungava - aquilo com areia faz um estrago danado - bem que eu queria, por algumas horas, ter novamente de carregar.

 

A autora é jornalista