Blogs | Newsletter | Fale Conosco |
Cidades

Baixo Iguaçu inicia diálogo para indenização

Jean Paterno

20/10/2012 às 00:00 - Atualizado em 01/09/2014 às 22:24

Rui Castro

Encontro ontem na Prefeitura de Capitão foi a primeira do gênero

Diretores da Neonergia e de empresas ligadas à questão ambiental e social da futura Usina do Baixo Iguaçu estiveram reunidos ontem, em Capitão Leônidas Marques, com representantes da Ahdabi, a Associação dos Atingidos da Barragem do Baixo Iguaçu. O encontro marcou o início das negociações quanto à indenização das áreas rurais que serão inundadas pela formação do futuro reservatório.

Cerca de 300 famílias de cinco municípios – Capitão, Capanema, Planalto, Realeza e Ampére – serão indenizadas no processo. O reservatório da hidrelétrica terá apenas 13 quilômetros quadrados, um dos menores do País mediante à capacidade de produção de energia do empreendimento. O primeiro contato serviu para orientar sobre os procedimentos que envolvem esse tipo de negociação, bem como quanto à avaliação das áreas, definição de preços e pagamentos.

O valor médio de um alqueire na região de Capitão é de R$ 50 mil. Isso, segundo lavradores, apenas pelo preço nu da terra, sem as benfeitorias. No entanto, há uma tabela nacional que deverá ser empregada para pautar os valores e indenizar as famílias da forma mais justa possível. Os diretores da Neoenergia, empresa fluminense que venceu leilão para a construção da usina, têm pressa em solucionar a questão porque as obras devem começar logo. O trabalho topográfico e de pesquisa de preços deverá iniciar na semana que vem. 

A hidrelétrica

Para que as obras já autorizadas pela Presidência da República iniciem falta apenas a liberação da licença de instalação do canteiro de obras pelo IAP, o Instituto Ambiental do Paraná. A Neoenergia tem prazo de cerca de 36 meses para construir a hidrelétrica e colocá-la em operação. A Baixo Iguaçu é uma das obras previstas no PAC, Programa de Aceleração do Crescimento, lançado ainda no Governo Luiz Inácio Lula da Silva. O investimento será de R$ 1,5 bilhão e, quando estiver pronta, ela terá capacidade para abastecer uma cidade de um milhão de habitantes.